A Verdade Despida e Crua VOCÊ TEM SEDE DE QUE?

A PALAVRA MAL-DITA

IMG_1656

Implacável como o tempo, a palavra dita nunca se dissipa. Não importa se fria ou furiosa, traindo indiferença ou desprezo, ela ressoa nas aleatórias paredes da memória como juiz e algoz.  A palavra mal-dita vocifera inverdades que não nos pertence e torna a incompreensão, o mais solitário dos sentimentos, presente.

Alheia, ao passado e futuro, machucando o agora, ela delineia a pior versão de nós mesmos para  desconhecermos quem a golpeia sem razão. Mágoa corroendo a corrente sanguínea num fluxo  sem volta, espalhando a toxidade de relações sob pressão.

A palavra incisiva distorce a realidade, tantas vezes emitindo uma vergonha camuflada na pretensão egoísta de domar o que defendemos com igual ferocidade:  aquilo que nos faz e é  particular. A palavra que não volta atrás: como estilhaços atravessando o peito sem ar, viscosidades insuspeitadas de um ser que, abruptamente, se desfigura e corrompe o ato de amar.

Mas, caro amigo, ainda prefiro suas certezas equivocadas, do que a estéril ausência de sinais vitais da consciência e de minha presença. Saber, por mais injusto ou impiedoso que seja, o que o outro pensa sem desenganos. Somente assim me é dado o pleno direito de fazer minhas escolhas sem danos.

Você Pode Gostar

Não há comentários

Deixe uma mensagem

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.